Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A grande fragilidade socioeconómica que se vive actualmente tem conduzido a população mais vulnerável e desfavorecida a relegar a saúde para segundo plano. São cada vez mais as pessoas, com escassos, ou até mesmo inexistentes, rendimentos, para quem a saúde deixou de ser uma prioridade. Reflexo deste cenário é o aumento do número de pedidos de medicamentos a instituições como o Centro Social Paroquial S. Nicolau, no Porto, parceiro da Médicos do Mundo. Fomos escutar o testemunho da Direcção do C. S. P. S. Nicolau acerca do impacto que a crise tem tido nas famílias que acompanha.

 

Quais os principais motivos que estão na origem dos pedidos de apoio medicamentoso que recebem?

 

A realidade portuguesa tem vindo a alterar-se nos últimos anos e a cidade do Porto não é excepção. O desemprego aparece como principal obstáculo à satisfação das necessidades básicas como a habitação, alimentação, saúde, entre outras.

As profundas alterações nas regras de acesso às políticas sociais, como é o caso do Rendimento Social de Inserção, conduziram a uma redução significativa do rendimento familiar, o que obviamente fragiliza a condição social de cada um.

O aumento considerável do preço dos bens de primeira necessidade (como a electricidade, água, gás, alimentação…) também motivou a redução do rendimento. 

 

Quem procura este apoio?

 

São muitos os indivíduos/famílias com ausência ou insuficiência de rendimentos – pensionistas com baixos recursos, desempregados – com idades diversificadas, residentes na Porto.

 

Sente que o número destes pedidos aumentou recentemente?

 

O número de pedidos aumentou significativamente e identificam-se casos que anteriormente não procuravam os apoios institucionais com esta finalidade.

De facto, a conjuntura económica abalou o quotidiano das pessoas e conduziu a situações de vulnerabilidade económica graves. São situações em que as pessoas tinham as vidas organizadas e, com o recurso ao seu salário, conseguiam satisfazer as suas necessidades. Hoje em dia, têm de priorizar necessidades, como a alimentação e a habitação, e a saúde é, muitas vezes, preterida, devido ao escasso orçamento familiar. 

 

As pessoas que procuram a vossa instituição tinham anteriormente outro tipo de ajuda para comprar medicamentos?

 

Identificam-se dois tipos de situações diferentes:

 

- por um lado, a perda de apoios dada a reestruturação das regras de atribuição de apoios sociais;

 

- por outro lado, situações em que as pessoas usufruíam de um rendimento mensal como garantia de satisfação das suas necessidades básicas e agora vivenciam uma alteração significativa do rendimento familiar. 

 

Centro Social Paroquial S. Nicolau, criado em 1989, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, sem fins lucrativos, destinada à intervenção social, preferencialmente, junto da comunidade da Freguesia de S. Nicolau, no Porto.

 

Devido à sua situação dramática, José Silva já pensou muitas vezes em pôr termo à vida. Leia aqui o testemunho de José Silva, que, sem qualquer rendimento, recebe os medicamentos de que precisa  através do apoio da  Médicos do Mundo.
Crédito foto: Arquivo MdM (Beneficiário do projecto Farmédicos José Silva)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:17



Mais sobre mim

foto do autor




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D