Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Rede Internacional da Médicos do Mundo (MdM) lançou um apelo aos 28 países da União Europeia para que tomem medidas e encontrem uma solução com vista a salvar a vida dos milhares de pessoas que fogem da crise no Médio Oriente, colocando fim às tragédias constantes, tal como aquela que recentemente teve lugar no Mediterrâneo.

 

O mais recente acidente no mar Mediterrâneo com imigrantes é uma tragédia demasiado grande. 700 imigrantes perderam a vida no último sábado depois de terem morrido 400 no sábado anterior. Quantas pessoas terão de perder a vida antes das autoridades europeias tomarem as medidas necessárias? O Mare Nostrum, berço das civilizações, não deve tornar-se um cemitério à beira mar.

 

Existem muitas razões pelas quais as pessoas fogem do seu país, da sua comunidade e da sua vida passada: pobreza, fome, discriminação, violência, guerra e esperança de encontrar liberdade e um futuro melhor para os seus filhos. Por trás de cada uma destas vítimas, homens, mulheres e crianças, existem situações difíceis, tragédias e a vontade de reconstruir um destino.

 

Não podemos esquecer que os imigrantes não abandonam o seu país por gosto. Fazem-no para salvar a própria vida, para fugir da pobreza, para encontrar oportunidades que não estão disponíveis no seu país e para conseguir um futuro melhor para os seus filhos. Fazem-no na esperança de conseguir uma vida melhor e talvez um dia regressar orgulhosos do seu sucesso.

 

Segundo Thierry Brigaud, Presidente da Delegação Francesa da MdM, “actualmente, devido à escalada dos conflitos pelo mundo, um número crescente de pessoas fogem da sua pátria sem expectativas de regressar. Estes refugiados fogem da violência e de outras circunstâncias extremas. Porque não recebê-los bem em vez de lhes pedirem para arriscar a vida? É difícil não nos sentirmos ultrajados pelo facto da Europa não conseguir organizar um salvamento no Mar Mediterrâneo digno desse nome. Os líderes europeus fingem não ter poder, o que constitui uma falha grave. As ONG’s humanitárias não têm a solução nas suas mãos. Mas se os líderes Europeus continuarem a adiar a solução para o problema, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) deve intervir e liderar as operações de salvamento. As Nações Unidas têm a responsabilidade de proteger os civis nestas zonas de guerra. É imperativo que lhes seja dada mais protecção, mais solidariedade e mais fraternidade.

 

A imigração é um direito humano. Vamos mudar o paradigma. Não podemos olhar para a situação como um ataque. Temos que olhar para o problema como ele é na realidade ou seja, uma oportunidade.

 

Há muito que a Médicos do Mundo assumiu um compromisso com as populações imigrantes e defende os direitos destas. A MdM acompanha os imigrantes desde as suas pátrias, desde o Afeganistão, Síria, África Subsaariana, entre outros países, e ao longo dos seus percursos, através da Turquia, Argélia e Sahel. Ao longo deste caminho, a MdM presta os cuidados médicos necessários e testemunha as consequências negativas para a saúde das políticas de imigração implementadas pelos 28 países Europeus.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:02



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D