Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A comunidade internacional deve alterar a abordagem sobre Gaza e cumprir as promessas de reconstrução. O alerta surge no relatório “Traçar um novo rumo: Superar o impasse em Gaza”, sobre a falta de progresso desde o conflito do último ano, lançado hoje e subscrito por 45 agências humanitárias.

 

Seis meses após os doadores se terem comprometido com 3,5 mil milhões de dólares, muita da população encontra-se em pior situação e nenhuma das 19 mil habitações destruídas foi reconstruída. 100 mil pessoas continuam sem abrigo e muitas vivem em acampamentos improvisados ou escolas.

 

O relatório “Traçar um novo rumo: Superar o impasse em Gaza” (em inglês “Charting a New Course: Overcoming the stalemate in Gaza”) alerta que outros conflitos são inevitáveis – e com eles o ciclo da destruição e reconstrução financiada por doadores – se os líderes mundiais não estabelecerem uma nova abordagem relativamente às causas subjacentes ao conflito. Os doadores devem insistir num cessar-fogo permanente, na responsabilidade de todas as partes pelas constantes violações da lei internacional e no fim do bloqueio israelita que impede o movimento de 1,8 milhões de palestinianos em Gaza e os mantém separados da Margem Ocidental. Mais do que desafiar o bloqueio, o relatório demonstra que a maioria dos doadores está a aceitar formas de o contornar.

 

Segundo Winnie Byanyima, Directora Executiva da Oxfam, “os discursos de esperança na conferência de doadores tornaram-se em palavras vazias. Tem existido muito pouca reconstrução, nenhum acordo de cessar-fogo permanente e qualquer plano para terminar com o bloqueio. A comunidade internacional está a caminhar de olhos bem abertos para um próximo conflito evitável, ao aceitar o status quo que queriam ver alterado.”

 

Já para William Bell da Christian Aid, “devemos assegurar que este mais recente e devastador conflito foi o último. Devem existir consequências para as contínuas violações. Ao facilitar uma cultura de impunidade, a comunidade internacional compromete-se indefinidamente com a reconstrução.”

 

Apenas 26,8% da verba prometida há seis meses pelos doadores foi libertada até agora. Mesmo com financiamento, muitos dos projectos de reconstrução ainda tiveram início devido a restrições relacionadas com o bloqueio de materiais essenciais. A maioria das 81 clínicas e hospitais que foi danificada continua a ter falta de fundos para a reconstrução e as poucas que dispõe de verba não têm os materiais necessários.

 

O mundo está a fechar os olhos e os ouvidos à população de Gaza quando esta mais necessita. A reconstrução não pode acontecer sem fundos mas o dinheiro sozinho também não é suficiente. Com o bloqueio estamos apenas a reconstruir uma vida de miséria, pobreza e desespero”, refere Tony Laurance, CEO da MAP UK.

 

Mesmo com o cessar-fogo temporário, a violência contra os civis continuou. Foram mais de 400 incidentes com disparos de fogo israelita contra Gaza e quatro rockets de Gaza para Israel. O relatório apela a todas as partes para retomarem imediatamente as negociações com vista a um cessar-fogo de longo prazo. Apela a Israel para acabar com o bloqueio e a política de separação de Gaza da Margem Ocidental e, aos actores políticos palestinianos, à reconciliação e prioridade na reconstrução. Também apela ao Egipto para a abertura das suas fronteiras e a permissão de um alívio humanitário.

 

Recentemente, os doadores conseguiram um reduzido aumento do fluxo de materiais de construção mas não é suficiente para preencher as necessidades e o seu impacto é extremamente limitado enquanto o bloqueio se mantiver. O relatório estabelece recomendações específicas à comunidade internacional para acabar com o ciclo de conflito e destruição, incluindo formas de:

 

- Aumentar o ritmo de reconstrução através do cumprimento das promessas e na insistência da entrada de materiais essenciais em linha com a lei internacional.

 

- Assegurar que todas as partes sejam responsabilizadas pela violação da lei internacional, considerando as obrigações estabelecidas pelo Tratado de Comércio de Armamento quanto às armas que se sabe serem utilizadas indiscriminadamente contra os civis e procurando compensações para os projectos de ajuda humanitária que são destruídos.

 

- Terminar com o bloqueio e reabilitar a abalada economia de Gaza. O bloqueio levou Gaza à dependência de ajuda, com 80% da população a receber assistência internacional e 63% dos jovens em situação de desemprego. As exportações de Gaza estão a menos de dois por cento dos níveis pré-bloqueio com o movimento de pessoas e bens entre Gaza e a Margem Ocidental praticamente inexistente.

 

- Apoiar o desenvolvimento de um governo palestiniano de união. A liderança palestiniana na reconstrução tem sido algumas vezes débil e descoordenada, enfrentando as restrições israelitas ao movimento de responsáveis governamentais. Manter Gaza separada da Margem Ocidental tem complicado a já problemática divisão entre o Fatah e o Hamas, com um enorme impacto negativo na disponibilização de ajuda e serviços em Gaza.

 

Aceda aqui à versão em inglês do relatório.

 

Subscritores do relatório:

 

1. ActionAid
2. Alianza por la Solidaridad
3. American Friends Service Committee (AFSC)
4. Asamblea de Cooperación por la Paz (ACPP)
5. CARE International
6. CCFD-Terre Solidaire
7. CCP Japan
8. Christian Aid
9. Church of Sweden
10. Council for Arab-British Understanding
11. Cooperazione per lo Sviluppo dei Paesi Emergenti (COSPE)
12. DanChurchAid (DCA)
13. Diakonia
14. GVC
15. Handicap International
16. Heinrich Böll Foundation
17. HelpAge International
18. Horyzon - Swiss Youth Development Organization
19. Japan International Volunteer Center (JVC)
20. KinderUSA
21. Medical Aid for Palestinians (Map – UK)
22. Medicos del Mundo MDM-Spain
23. Médecins du Monde France
24. Médecins du Monde Switzerland
25. medico international
26. medico international schweiz
27. Mennonite Central Committee
28. Norwegian Church Aid (NCA)
29. Norwegian People’s Aid (NPA)
30. Norwegian Refugee Council (NRC)
31. Overseas
32. Oxfam
33. Première Urgence – Aide Médicale Internationale
34. Quaker Council for European Affairs
35. Rebuilding Alliance
36. Save the Children
37. Secours Islamique France
38. Secours Catholique - Caritas France
39. Terre des hommes Foundation
40. Terre des Hommes Italy
41. The Carter Center
42. The Kvinna till Kvinna Foundation
43. The Lutheran World Federation
44. The Swedish Organisation for Individual Relief/ IM - Swedish Development Partner (SOIR)
45. United Civilians for Peace, Netherlands

 

revisedfinaldestruction.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:04


1 comentário

Imagem de perfil

De Pedro Santos a 14.04.2015 às 11:30

Se fosse em Israel, já estaria reconstruído. A comunidade internacional despreza os palestinianos.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D