Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




“Saber é Poder” em São Tomé e Príncipe

por Médicos do Mundo, em 16.10.14

Após três anos de actividades na área da promoção da Saúde Sexual e Reprodutiva (SSR) e da prevenção do VIH/SIDA, chegou ao fim o projecto “Saber é Poder” da Médicos do Mundo (MdM) em São Tomé e Príncipe (STP), iniciado em Março de 2011, que contou com o financiamento da Comissão Europeia e do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua.


A intervenção da MdM teve como objectivo geral o de contribuir para a redução da gravidez precoce, em particular entre as jovens dos 11 aos 24 anos, aumentando o acesso aos serviços e a qualidade da oferta nos seis distritos do país africano. Uma actuação que teve por base a incidência média de casos de gravidez em adolescentes, que se manteve nos 7,6% entre 2004 e 2008, e a diminuição da utilização de contraceptivos de 2,2% em 2005 para 1,6% em 2008, apesar das diversas iniciativas desenvolvidas pelas autoridades são-tomenses.


O trabalho executado no âmbito do “Saber é Poder” implicou uma acção em várias vertentes: educativa, institucional e de comunicação/sensibilização. Foram assim desenvolvidas campanhas através dos meios de comunicação social sobre SSR e uma parceria com actores locais visando a implementação das diversas actividades do projecto.


A MdM prestou ainda apoio e colaborou com redes e associações de jovens, como o Instituto da Juventude de STP, com vista a promover o acesso dos mais novos a uma melhor informação sobre direitos, saúde e educação sexual. Foram transmitidas orientações sobre comportamentos sexuais mais seguros, meios de contracepção, VIH/SIDA, serviços de saúde em matéria de SSR e desenvolvimento de capacidades para a vida.

 

 

"Saber é Poder" em números

 

Os resultados obtidos pelo projecto “Saber é Poder” confirmam o impacto positivo das actividades desenvolvidas pela MdM em STP, as quais tiveram dois objectivos específicos: por um lado, o aumento da percentagem de jovens dos 15 aos 19 anos que conhecem e usam métodos contraceptivos modernos e, por outro, a redução da percentagem dos que iniciam a vida sexual antes dos 15 anos.


No início do projecto apenas 12,8% (entre os 15 e os 19 anos) e 32,5% (entre os 20 e 24 anos) das jovens sexualmente activas utilizavam métodos contraceptivos modernos, números que três anos depois se situam nos 75,2% e 67%, respectivamente. Nos jovens do sexo masculino, inicialmente 65% (dos 15 aos 19) e 63,3% (dos 20 aos 24) dos sexualmente activos tinham usado preservativo na última relação sexual, percentagens que em 2014 passaram a 73,9% e 59%, respectivamente.


Quanto ao objectivo de redução da percentagem de jovens que iniciam a vida sexual antes dos 15 anos, os dados apontavam inicialmente para 9,7% (dos 15 aos 19 anos) e 11,7% (dos 20 aos 24), sendo que, na conclusão do projecto, se alcançaram 16,1% e 21,2%, respectivamente.


A MdM conseguiu ainda aumentar para 40 os técnicos de saúde capacitados em matéria de SSR e para mais de 14 mil o número de jovens a participar nas actividades desenvolvidas nos centros de interacção jovem.


No total foram produzidos e distribuídos 100 manuais de SSR, 50 guias práticos de directrizes para as consultas de SSR, 75 álbuns de fichas metodológicas de SSR, 2.000 folhetos sobre gravidez precoce e 2.000 sobre métodos contraceptivos modernos, 500 t-shirts, 1 spot televisivo e radiofónico, 300 cadernos, 300 sacos de pano, 300 bonés, 1 faixa do projecto e 8 placas identificativas.

 

 

Métodos contraceptivos em São Tomé

 

Um inquérito realizado pela MdM no final do projecto forneceu dados importantes sobre o uso de métodos contraceptivos em STP que demonstram a necessidade de continuar a trabalhar esta temática com acções dirigidas aos jovens:


- A percentagem de jovens inquiridas que utiliza um método contraceptivo é maior nos distritos de Água Grande (80,8%) e Mé-Zochi (76,6%), sendo a menor no distrito de Caué (47,1%).


- O método contraceptivo mais utilizado pelas jovens inquiridas é o preservativo masculino (64%), seguido da pílula contraceptiva (22%).


- A razão mais apontada é “Não gostar de usar” (31%), seguido da vontade das jovens de engravidarem (21%) ou não se preocuparem com a gravidez (10%). De salientar que 10% das inquiridas refere a não utilização de um método porque o parceiro não quer.


- A percentagem de utilização do preservativo na última relação sexual pelos rapazes dos 15 aos 24 anos é maior nos distritos de Água Grande (76,0%) e Mé-Zochi (75,5%), sendo a menor no distrito de Caué (54,5%).


- A maioria dos jovens que não utilizou preservativo na última relação apontou o facto de não ter preservativo no momento (34%). De salientar que 24% destes jovens referiram não gostar de usar preservativo e 28% referiram não usar por ter uma relação de fidelidade com a parceira, referindo-se por isso à preocupação com IST e não com uma gravidez.

 

 

O lado Leve-Leve da vida
Testemunho de Ana Baptista, Coordenadora do projecto “Saber é Poder”

DSC06081.JPG

Cheguei a São Tomé e Príncipe carregada de malas e de expectativas em relação ao que me esperava. Durante os 3 anos e uns dias que ali vivi, fui-me sentindo cada vez menos carregada e mais leve-leve, esse que é o ritmo de vida dos santomenses.


Deixei-me embalar pelos ventos fortes que chamam a chuva que refresca o calor intenso e húmido em que vivi, sem precisar de ar condicionado. Deixei-me levar pelas estradas esburacadas que me levaram, de norte a sul dos 1001 km2 de território nacional, a algumas das mais envolventes paisagens que já vi. Fiquei a saber que em S. Tomé, a natureza nos brinda com mais de 400 tons de verde, uma moldura impressionante e que por vezes mais parece um quadro, um desenho feito à mão.


Testemunhei o nascimento de tartarugas e tive o privilégio de as lançar ao mar. Dormi na praia, embalada pelas ondas do mar. Incontáveis mergulhos. Conheci e adorei sape-sape, safú, carambola, jaca, izá-quente, kalulu, água de daua, kom-kom e tantas outras maravilhas gastronómicas. Conheci as propriedades das plantas no bem-estar das pessoas. Fui muitas e tantas vezes chamada de “branca” na rua, nas roças, mas também recebi sorrisos tímidos e atrevidos e participei em festas tradicionais, onde fui bebendo um pouco da cultura local. Comprei tecidos africanos e fiz roupas. Despedi-me demasiadas vezes de amigos, abracei outros tantos.


Durante o tempo que ali vivi, lembro-me sobretudo de acordar todos os dias com vontade e curiosidade pelo dia que estava a começar. De uma forma simplista, acho que a isso se chama estar de bem com a vida, mas também pode ser sinónimo de um estado de espírito que se adquire, uma leveza muito própria típica do povo santomense e que nos torna mais… leve-leve.

 

Saiba mais sobre o Projecto "Saber é Poder" aqui

 

Aceda aqui à galeria de fotos do Projecto "Saber é Poder" em São Tomé e Príncipe.

Formação de jovens Agostinho Neto 2.JPG

 Crédito foto: ©MdM | Projecto "Saber é Poder" em São Tomé e Príncipe.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:54



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D