Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

No âmbito da sua campanha “Names not Numbers”, que defende o acesso universal ao aborto seguro e legalizado, a Médicos do Mundo está a pedir à classe médica que assine a declaração abaixo. 

 

Para subscrever a petição deve enviar o seu primeiro e último nome, assim como indicação da especialidade médica, para comunicacao@medicosdomundo.pt. Os nomes serão publicados na prestigiada revista francesa “Le Nouvel Observateur”.  

 

 

Petição dos Médicos à Assembleia Geral das Nações Unidas: A proibição do aborto está a matar mulheres

 

A cada dez minutos morre uma mulher devido ao aborto sem condições de segurança.

 

Todos os anos mais de 20 milhões de mulheres em todo o mundo interrompem a gravidez sem condições de segurança devido ao aborto ser ilegal nos seus países. Uma situação que causa anualmente a morte de 50.000 mulheres e incapacidades temporárias ou definitivas em 8 milhões.

 

A proibição do aborto não tem quaisquer efeitos dissuasores na interrupção voluntária da gravidez, tal como frequentemente recorda a Organização Mundial da Saúde.

 

Enquanto médicos, sabemos e enfrentamos directamente os perigos e complicações graves que afectam milhões de mulheres. Assim, apelamos ao acesso universal à contracepção e ao aborto seguro e legalizado.

 

Hoje, mobilizamo-nos para que cada mulher, cada jovem tenha o direito de ter ou não filhos, sem arriscar a sua própria vida.

 

No dia 22 de Setembro, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, será realizada uma sessão extraordinária sobre a continuação do Programa de Acção acordado há 20 anos no Cairo e que marcou um ponto de viragem no reconhecimento dos direitos sexuais e reprodutivos.

 

Nesta ocasião, apelamos a todos os Estados que tomem as medidas necessárias com vista à eliminação das barreiras que impedem as mulheres de escolher livremente ter ou não filhos. Deve ser melhorado o acesso aos métodos contraceptivos modernos para prevenir a gravidez indesejada e legalizada a sua interrupção médica.

 

Nós, médicos, tal como os nossos 331 colegas franceses em 1973, queremos que a contracepção seja acessível a todos e em todo o mundo e que haja liberdade na escolha do aborto. A decisão deve pertencer inteiramente às mulheres. 

 

 

No âmbito da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (CIPD), realizada em 1994 na capital egípcia, os chefes de Estado e de Governo acordaram, entre outros, nos seguintes objectivos para o início do século XXI: acesso universal ao planeamento familiar e a serviços de saúde sexual e reprodutiva, igualdade de género, empoderamento das mulheres e igualdade de acesso à educação. 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:48



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D